Nesta praça – Freddy Diblu

Ai! Que tardinha sem graça
Que vazio de solidão na praça
A calçada, gente que passa
Coisas que chamam a saudade
Esta saudade de você, amiga
Ai! É de uma dorzinha antiga
E aflige mais que sua piedade


A saudade de você, amor
Ai! ai! ai!
Quer a sua volta de verdade
Ai! ai! ai!
Que tão só eu me dou à dor

In: Nesta Praça
(Freddy Diblu)

Minhas carícias de amor… Marco Antonio

Minhas Caricias De Amor...

No escurecer quero estar ao seu lado,
Para as minhas mãos no seu corpo tatear...
E os meus braços hospedar o seu corpo,
Entre as caricias, você amar...

No escurecer quero estar ao seu lado,
Entre a barreira, para com você
Inebriar um vinho e brindar
O nosso doce amor...

No escurecer quero estar ao seu lado,
Para o seu corpo moreno seduzir com meu amar...
E no seu corpo satisfazer os teus desejos,
Entre os entreveros desse nosso energético amor...

No escurecer quero estar ao seu lado,
Para no seu corpo moreno
Usufruir o doce amor...
E no seu corpo moreno
Embeber com o meu intenso e doce amor...

Marco Antonio – 05.05.16
Direitos Autorais

Minha doce tentação… Nascimento Maria

Minha doce tentação..
Quero fugir mas não consigo me soltar de tuas amarras, que tão sabiamente me mantém presa a ti, ai que loucura essa minha, de por ti me apaixonar .
Quero e não consigo me soltar de tuas amarras a qual me faz delirar, mesmo acordadas me fazes sonhar, com esse amor, desejo, paixão que doma-me, assim tão vorazmente e subitamente toma posse dos meus pensamentos !

À VAGA DO FADO – Freddy Diblu




Ai (dó de bardo), encantou-me bela Cristina!
Voz, viola, violino, violoncelo à alma fadista
Dão fôlego de Mouraria à sonoridade divina.
E ao turista de Lisboa, tanto o dom da artista!


Faz-me um bem de adoração o ritmo renovado:
À noite, nas pautas da afinação total um piano
À meia-luz do palco, e a deusa canora do fado!







Canção do idílio, data vênia ~Freddy Diblu




"Minha terra tem carteiras,
Onde canta o jabá;
As rapinas que aqui rodeiam,
Não saqueiam como l .

Nosso ao l u tem mais estrelas,
Nossas praças têm mais atores,
Nosso z -povo tem mais lida,
Nessa lida mais "mordedores".

Em chiar, sozinho, ao a oite,
Mais quelel encontro eu l ;
Minha terra tem carteiras,
Onde canta o jabá.

Minha terra tem no 171 "doutores",
Que tais não encontro eu cá;
Em chiar - sozinho, ao açoite -
Mais quelelê encontro eu lá;
Minha terra tem carteiras,
Onde canta o jabá.

Não permita Deus que eu corra,
Sem que me revolte por lá;
Sem que refute os usurpadores
Que não encontro por cá;
Sem quêinda revi